Voz do Brasil - Conexão
Ex-assessor aponta ligação de Ministro do Turismo e Bolsonaro em caixa dois
Publicado em 07/10/2019
O depoimento de um ex-assessor parlamentar do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e uma planilha apreendida em uma gráfica indicam o desvio de recursos do esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais para as campanhas de Jair Bolsonaro à presidência da República e de Marcelo Álvaro a deputado federal. A prática revelaria a ação de caixa 2, movimentação de recursos de campanha sem declaração oficial à Justiça. O assessor parlamentar do ministro e coordenador de sua campanha no Vale do Rio Doce (MG), Haissander Souza de Paula, disse à Polícia Federal que “acha que parte dos valores depositados para as campanhas femininas, na verdade, foi usada para pagar material de campanha de Marcelo Álvaro Antônio e de Jair Bolsonaro”. Uma planilha apreendida pela PF, intitulada “MarceloAlvaro.xlsx”, se refere ao fornecimento de material eleitoral para a campanha de Bolsonaro com o termo “out”. Para os investigadores, a utilização da palavra em inglês significaria pagamento “por fora”, segundo a Folha de São Paulo. Na última sexta-feira (4), o ministro foi indiciado pela Polícia Federal e denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais acusado dos crimes de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa. Ele nega qualquer irregularidade. O ex-assessor foi preso por cinco dias no final de junho. Em seu depoimento, Haissander afirma ainda que Lilian Bernardino, uma das quatro candidatas laranjas do PSL em Minas Gerais, não gastou os R$ 65 mil recebidos formalmente. Candidata a uma vaga na Assembleia Legislativa do estado, ela obteve apenas 196 votos. As quatro candidatas juntas receberam R$ 279 mil em recursos públicos do partido, mas não houve evidências de que tenham de fato realizado campanha. De acordo com a investigação da PF, há indícios de que o dinheiro formalmente declarado para as quatro candidatas foi parar nas campanhas de outras candidaturas, como a do ministro do Turismo, parlamentar mais votado no estado nas eleições de 2018. Em 17 de setembro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que o ato de fraudar a cota de gênero nas eleições leva à cassação de toda a chapa eleita. Segundo a legislação, as coligações devem ter ao menos 30% de candidatas mulheres e os partidos devem destinar no mínimo 30% dos recursos públicos para estas candidaturas. De acordo com a Folha, a defesa de Marcelo Álvaro Antônio, por meio de nota, afirma que a investigação das candidaturas laranjas do PSL não apontou nenhum ato irregular do ministro. A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto afirmou que não comentaria.