Iraquara Notícias - Marcos Bispos e Luciano Santos
Após anúncio de Copa América no Brasil, políticos criticam decisão federal em sediar competição
Publicado em 31/05/2021
Políticos de oposição ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticaram o anúncio feito pela Conmebol de que o Brasil será sede da Copa América neste ano. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (31) após desistência da Argentina, que informou no último domingo (30) que, por conta do avanço da pandemia, não poderia realizar o evento. Pré-candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes, pediu que a CPI da Covid no Senado convocasse o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, “e as autoridades esportivas para saber quais os cuidados que serão tomados para realização” da competição no país. “Bolsonaro demora meses para responder ofertas de vacinas contra Covid, mas leva horas para aceitar que a Copa América aconteça no Brasil. Prioridades bem definidas de um governo genocida!”, criticou o pedetista. “A questão não é gostar ou não gostar de futebol. Eu adoro! A questão é não brincar com a vida dos brasileiros. E não fazer demagogia a troco da morte de inocentes”, acrescentou. Relator da CPI da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou que a Copa América é um “campeonato da morte”. “Sindicato de negacionistas: governo, Conmebol e CBF. As ofertas de vacinas mofaram em gavetas mas o ok para o torneio foi ágil. Escárnio”, escreveu, em publicação no Twitter. Ex-ministro da Saúde de Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta condenou a realização do evento futebolístico em território brasileiro. “Pandemia em expansão. Brasil é, neste momento, um grande covidário. Hoje ficamos sabendo que o Brasil vai sediar a "Cova América". Um total cinismo em relação ao que está acontecendo. Inacreditável”, tuítou.